NOVA PESQUISA DOBRA A IDADE DO UNIVERSO PARA 26,7 BILHÕES DE ANOS

Estudos recentes sugerem que o universo pode estar ficando bem mais velho — quase duas vezes mais do que pensávamos! Isso mesmo, a idade do universo foi estimada em impressionantes 26,7 bilhões de anos.

Como calcular a idade do universo

Você pode estar se perguntando: “Como raios conseguimos calcular a idade do universo?” Bem, tudo tem a ver com a medição do tempo desde o Big Bang e o estudo das estrelas mais antigas. Mas, segundo o autor principal do estudo, Rajendra Gupta, um professor da Universidade de Ottawa, esses antigos métodos podem não estar mais dando conta do recado.

O problema começa com galáxias que se formaram bem mais cedo do que esperávamos. Estou falando de bebês cósmicos que surgiram apenas 300 milhões de anos após o Big Bang e já demonstravam uma maturidade surpreendente. Elas estavam evoluindo em um ritmo que normalmente associaríamos a bilhões de anos de evolução cósmica.

E tem mais, elas eram estranhamente pequenas, adicionando uma nova camada de mistério ao nosso enigma cósmico. É como encontrar um elefante adulto numa caixa de sapatos. Não bate muito bem, certo?

Um novo modelo

Aqui é onde a trama engrossa. Gupta sugere uma teoria de antigamente chamada “teoria da luz cansada de Zwicky”. Basicamente, essa teoria diz que o desvio para o vermelho da luz de galáxias distantes é devido aos fótons perdendo energia ao longo de enormes distâncias cósmicas. A parte complicada? Essa teoria estava em desacordo com as observações — até agora.

Gupta propôs que essa teoria e a ideia de um universo em expansão poderiam coexistir. Isso significaria que o desvio para o vermelho não é apenas devido à expansão, mas um pouco dos dois.

Gupta vai um passo além e introduz o conceito de “constantes de acoplamento” em evolução para a festa. Estas são constantes fundamentais que controlam como as partículas interagem entre si. Se elas evoluíram ao longo do tempo, isso poderia esticar a formação dessas galáxias bebês maduras de algumas centenas de milhões de anos para um par de bilhões.

Em outras palavras, isso poderia explicar por que essas galáxias antigas parecem tão adultas. É como se elas tivessem tido uma adolescência prolongada, dando-lhes tempo suficiente para acumular massa e se desenvolver.

E se isso não bastasse, Gupta também sugere que precisamos revisitar nossa interpretação da “constante cosmológica”. Esta representa a energia escura que está alimentando a expansão do universo. Em vez do velho modelo, ele propõe uma constante que leva em conta a evolução das constantes de acoplamento.

Conclusão

Então, qual é a conclusão aqui? Bem, nosso universo pode ser mais velho e mais complexo do que pensávamos originalmente. E essas novas teorias podem explicar alguns dos mistérios que estamos observando no cosmos. É um mundo novo e corajoso lá fora na era do universo, e estamos apenas começando a desvendá-lo.