James Webb mostra imagem de região de formação estelar mais próxima da Terra

A Nasa divulgou nesta quarta-feira (13) uma imagem obtida pelo Telescópio Espacial James Webb do complexo nebuloso de Rho Ophiuchi, a região de formação de estrelas mais próxima da Terra, no momento em que a agência espacial dos Estados Unidos comemorou um ano desde que revelou os primeiros resultados científicos do telescópio.

O telescópio Webb, que foi lançado em 2021 e começou a coletar dados no ano passado, reformulou a compreensão do universo primitivo ao tirar fotos impressionantes do cosmos.

A imagem de Rho Ophiuchi foi um exemplo disso, mostrando uma nebulosa – uma enorme nuvem de gás e poeira interestelar que serve como berçário para novas estrelas – localizada em nossa galáxia, a Via Láctea, a cerca de 390 anos-luz da Terra. Um ano-luz é a distância que a luz percorre em um ano: 9,5 trilhões de quilômetros.

Rho Ophiuchi tem apenas cerca de um milhão de anos, um piscar de olhos no tempo cósmico.

VÍDEO – Veja imagens da Superlua pelo mundo

data-youtube-width=”500px” data-youtube-height=”281px” data-youtube-ui=”tecnologia” data-youtube-play=”” data-youtube-mute=”0″ data-youtube-id=”qRuFmFcIg78″

“Aqui, vemos como novos sóis estão se formando, junto com discos de formação de planetas aparecendo como pequenas silhuetas escuras. Eles são muito semelhantes a como pensamos que o sistema solar era há mais de 4,5 bilhões de anos”, disse o astrônomo Klaus Pontoppidan, ex-cientista do projeto Webb, que agora é um cientista pesquisador no Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa.

“À medida que as estrelas e os sistemas planetários se reúnem, eles explodem o casulo empoeirado do qual se formaram em explosões violentas, como visto em jatos vermelhos abrindo caminho através da nuvem como um barco na água.”

“O núcleo de Rho Ophiuchi é completamente obscurecido por grandes quantidades de poeira, por isso é essencialmente invisível para os telescópios que trabalham na luz visível, como o telescópio Hubble. No entanto, o Webb espia através da poeira para revelar as estrelas jovens dentro, mostrando os primeiros estágios da vida de cada estrela”, acrescentou Pontoppidan.

A imagem, obtida em março e abril deste ano, mostra como os jatos de material emanados de estrelas jovens afetam o gás e a poeira circundantes ao iluminar o hidrogênio molecular.

Em uma parte da imagem, uma estrela é vista dentro de uma caverna brilhante que seus ventos estelares escavam no espaço.

Desde que se tornou operacional, o Webb revelou a existência das primeiras galáxias e buracos negros conhecidos.

Ele observou galáxias grandes e maduras, mas notavelmente compactas, repletas de estrelas que se formaram algumas centenas de milhões de anos após o evento do Big Bang, que marcou o início do universo há cerca de 13,8 bilhões de anos – muito antes do que os cientistas consideravam possível.