Idioma perdido é descoberto em antiga tábua

Imagine por um momento, passeando pelo centro-norte da Turquia e deparando-se com um verdadeiro tesouro histórico. Foi o que aconteceu quando arqueólogos descobriram uma antiga tabuleta de argila em Boğazköy-Hattuşa, a antiga capital do outrora poderoso Império Hitita. Esta descoberta não foi um achado qualquer; ela continha palavras de uma “língua perdida” falada há mais de 3.000 anos!

Boğazköy-Hattuşa, agora reconhecida como Patrimônio Mundial da UNESCO, foi o coração da civilização Hitita de cerca de 1600 a.C. a 1200 a.C. A importância deste sítio é inegável, especialmente quando percebemos que os Hititas já governaram vastos territórios, abrangendo a Turquia e Síria modernas. Este império, com sua dominância estratégica, estava entre os mais poderosos protagonistas do mundo antigo.

Mas, vamos recuar e falar sobre essa fascinante descoberta.

Todos os anos, expedições lideradas por Andreas Schachner, arqueólogo do Instituto Arqueológico Alemão, viajam para este local. Ao longo dos anos, eles descobriram milhares de tabuletas de argila inscritas com cuneiforme, um dos scripts mais antigos conhecidos. Acredita-se que este script intrincado foi criado pelos sumérios na Mesopotâmia há mais de 5.000 anos.

Agora, você pode se perguntar, onde encontraram todas estas tabuletas?

Bem, Schachner explica que as tabuletas geralmente aparecem em grupos, geralmente conectadas a certos edifícios. Muitos acreditam que esses edifícios funcionavam como arquivos ou até bibliotecas. Devido à erosão, algumas tabuletas mudaram de seus locais originais, mas cada uma delas guarda segredos esperando ser decifrados. Mas aqui é onde as coisas se tornam ainda mais intrigantes. A maioria dessas tabuletas é escrita na língua Hitita. No entanto, de vez em quando, encontram uma tabuleta inscrita com palavras de outras línguas. Por quê? Parece que os Hititas tinham um profundo interesse em rituais religiosos estrangeiros.

Imagine isso: uma única tabuleta de argila surge do solo, portando uma língua previamente desconhecida de um lado, enquanto o outro lado contém escrita Hitita explicando o texto. “A introdução está em Hitita,” Schachner mencionou, deixando claro que se tratava de um texto ritual.

Uma vez descoberta, esta misteriosa tabuleta foi enviada para a Alemanha para análise completa. Daniel Schwemer, professor especializado em Estudos do Oriente Próximo Antigo na Universidade de Würzburg, assumiu a tarefa. A partir da introdução em Hitita, Schwemer identificou a língua como originária de Kalašma, uma região próxima à cidade turca moderna de Bolu.

A antecipação era palpável, enquanto estudiosos tentavam ansiosamente decifrar a língua. Eles logo estabeleceram que esta recém-descoberta linguagem pertencia ao grupo Anatolian, parte da ampla família Indo-Europeia. Para contextualizar, a língua Hitita também era membro desta família, enquanto outras línguas antigas da região, como Acadiano, Hebraico e Aramaico, pertenciam à família Semítica.

Schwemer, em uma declaração expressiva, lançou luz sobre a prática única dos Hititas de registrar rituais estrangeiros. Tabuletas de Boğazköy-Hattuşa revelaram rituais em outras línguas estrangeiras, como Luwian e Palaic, que pertencem à família Indo-Europeia, e Hattic, uma língua não Indo-Europeia. Parece que os Hititas eram realmente cosmopolitas em suas práticas religiosas.

Estes textos rituais, habilmente escritos por escribas hititas, refletem lindamente um mosaico de tradições e línguas que se estendem desde a Anatólia até a Síria e Mesopotâmia. Como Schwemer aponta, essas descobertas nos dão vislumbres raros da rica diversidade linguística da Anatólia da Idade do Bronze Final. Não se trata apenas dos Hititas; trata-se de um mundo agitado onde várias línguas e tradições coexistiam.

No entanto, para compreender plenamente o significado desta descoberta, é essencial entender o impacto do Império Hitita. Por volta de 1274 a.C., os Hititas travaram uma feroz batalha contra os egípcios em Kadesh pelo controle de Canaã. Esta batalha, possivelmente a primeira ação militar registrada, não correu exatamente como planejado para os Hititas. Embora tenham mantido Kadesh, os egípcios mantiveram seu domínio sobre Canaã.

A capital Hitita, Hattusha, prosperou a partir de 1600 a.C., mas, infelizmente, por volta de 1200 a.C., enfrentou o abandono. Esse declínio abrupto coincidiu com o misterioso “colapso da Idade do Bronze Final”, que levou à queda de vários estados antigos. As razões exatas permanecem debatidas, com teorias que variam desde invasões pelos “Povos do Mar” até mudanças climáticas súbitas e o surgimento de novas tecnologias como o ferro.

Com essa nova descoberta, o que o futuro reserva? Schachner permanece cautelosamente otimista. Embora seja incerto se mais escritos nesta “língua perdida” serão desenterrados, ou se outras línguas antigas serão descobertas, o sítio em Boğazköy-Hattuşa continua insinuando que mais segredos aguardam em suas profundezas.

Então, da próxima vez que pensar na Turquia, não pense apenas em sua deliciosa culinária ou bazar vibrante. Lembre-se das histórias que ela guarda sob o solo, histórias que nos levam de volta no tempo, revelando o rico tapete de nossa história humana compartilhada.