Hora de mudar? 17 profissões com os melhores salários

Numa sociedade em que o cenário econômico oscila, as profissões também vivem uma montanha-russa salarial. Em todo o Brasil, encontramos histórias de pessoas que buscaram, através do ensino superior, uma porta para um futuro mais promissor. Mas, os números não mentem e mostram uma realidade que, às vezes, parece esquecida: nem todo diploma garante um salário farto.

Veja também: Como você é visto no mundo profissional? Numerologia desvenda mistério

No entanto, um levantamento recente da pesquisadora Janaína Feijó, do FGV/Ibre, nos traz dados surpreendentes. Desse modo, enquanto o setor tecnológico avança com salários tentadores, o setor educacional se vê em uma crescente retração.

Melhores e piores salários no contexto atual

A pandemia, sem dúvidas, redesenhou o cenário profissional e, com ela, algumas profissões viram seus salários disparar, enquanto outras se viram comprimidas.

Desenvolvedores e analistas, por exemplo, navegaram por mares cada vez mais férteis. Em contrapartida, mestres das artes, da música e de outras disciplinas, viram seus contracheques minguar.

Profissões mais bem pagas

  1. Médicos especialistas: R$ 18.475 (-13%)
  2. Matemáticos, atuários e estatísticos: R$ 16.568 (50%)
  3. Médicos gerais: R$ 11.022 (-37%)
  4. Geólogos e geofísicos: R$ 10.011 (-20%)
  5. Engenheiros mecânicos: R$ 9.881 (-7%)
  6. Engenheiros não classificados anteriormente: R$ 9.451 (-11%)
  7. Desenvolvedores de programas e aplicativos: R$ 9.210 (39%)
  8. Engenheiros industriais e de produção: R$ 8.849 (-22%)
  9. Economistas: R$ 8.645(-39%)
  10. Engenheiros eletricistas: R$ 8.433 (-22%)
  11. Engenheiros de minas, metalúrgicos e afins: R$ 7.887 (-14%)
  12. Engenheiros civis: R$ 7.538 (-41%)
  13. Desenhistas e administradores de bases de dados: R$ 7.301 (30%)
  14. Advogados e juristas: R$ 7.237 (0%)
  15. Engenheiros químicos: R$ 7.161(-52%)
  16. Analistas de sistemas: R$ 7.005 (-19%)
  17. Desenvolvedores de páginas de internet e multimídia: R$ 6.075 (91%)

Logo, a lista acima, revelada por Feijó, mostra a predominância das áreas de Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemáticas nas posições mais rentáveis. Ou seja, os profissionais dessas áreas têm visto sua importância e demanda crescerem exponencialmente, reflexo da aceleração tecnológica impulsionada pelos novos tempos.

Profissões com pior remuneração

  1. Professores do ensino pré-escolar: R$ 2.285 (3%)
  2. Outros profissionais de ensino: R$ 2.554 (-23%)
  3. Outros professores de artes: R$ 2.629(-45%)
  4. Físicos e astrônomos: R$ 3.000 (-16%)
  5. Assistentes sociais: R$ 3.078 (-7%)
  6. Bibliotecários, documentaristas e afins: R$ 3.135 (-32%)
  7. Educadores para necessidades especiais: R$ 3.379 (14%)
  8. Profissionais de relações-públicas: R$ 3.426 (-23%)
  9. Fonoaudiólogos e logopedistas: R$ 3.485 (-28%)
  10. Professores do ensino fundamental: R$ 3.554 (7%)
  11. Outros professores de música: R$ 3.578 (-35%)

O que aprendemos com a lista de melhores e piores salários

Mas, enquanto alguns se beneficiam dessa revolução tecnológica, outros são deixados para trás. Os educadores, pilares de nossa sociedade, têm sido desvalorizados, um fenômeno preocupante e que demanda atenção imediata. Afinal, são eles os responsáveis por moldar o futuro, por ensinar as gerações que virão a seguir.

Fica o recado para quem está procurando um curso para realizar considerando a remuneração. Porém, outros aspectos devem ser considerados, como a sensação de propósito e o equilíbrio entre carreira e vida pessoal.