Concurso Nacional Unificado: adesão e aplicação de provas têm novos prazos

O secretário de Gestão Pessoal do Ministério da Gestão e Inovação em Serviços Públicos (MGI), José Celso Cardoso Jr., deu uma nova previsão para prova do Concurso Nacional Unificado. De acordo com o gestor, a avaliação deve ser aplicada em meados de março de 2024.

A fala foi dada ao portal Metrópoles neste domingo (10/09). Essa nova estimativa altera o cronograma originalmente divulgado pelo MGI, que previa a prova única no dia 25 de fevereiro do próximo ano. Cardoso Jr. explicou que a alteração tem como objetivo dar um prazo maior para os candidatos se prepararem. O cronograma previsto é:

  • Até 20 de setembro: formação do comitê organizador;
  • Até 29 de setembro: adesão dos órgãos convidados;
  • Até 20 de dezembro: publicação do edital de abertura;
  • Meados de março: realização das provas do Concurso Nacional Unificado;
  • Abril de 2024: divulgação dos resultados gerais;
  • Entre junho e julho de 2024: início dos cursos de formação;
  • Entre julho e agosto de 2024: ambientação dos novos servidores.

Enquanto aguardam mais informações sobre a prova do Concurso Nacional Unificado, os candidatos devem se preparar conforme o que já sabem sobre os blocos temáticos. Uma boa maneira de estudar é respondendo provas antigas dos órgãos. O Concursos no Brasil também possui um vasto banco de questões que podem ajudar nesse sentido.

Como será a prova do Concurso Nacional Unificado?

O Concurso Nacional Unificado deve oferecer cerca de 8 mil vagas no funcionalismo público, divididas entre mais de 30 órgãos convidados a participar. A ideia é aplicar uma prova única, com etapa objetiva comum a todos os candidatos e outra separada por blocos temáticos de acordo com a área de conhecimento.

Ambas as fases serão aplicadas no mesmo dia em turnos diferentes. Originalmente, a previsão era de que acontecesse no dia 25 de fevereiro de 2024. No entanto, o secretário José Celso Cardoso Jr. afirmou que essa previsão está sendo revista, considerando sugestões dos órgãos que devem participar.

De acordo com os estudos feitos, o prazo colocado no cronograma entre o lançamento do edital e a prova do Concurso Nacional Unificado é muito curto. O tempo estimado inicialmente foi de apenas 60 dias. Sendo assim, agora, o MGI pretende colocar a avaliação em meados de março. Contudo, a data ainda não foi oficialmente definida.

A aplicação da prova única do Concurso Nacional Unificado deve acontecer em 179 cidades brasileiras, dentre as quais estão as 26 capitais estaduais e o Distrito Federal. A ideia é democratizar o acesso as seleções que garantem emprego público. A distribuição foi feita pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), considerando a densidade demográfica das regiões.

Concurso Nacional Unificado terá oito blocos temáticos

Anteriormente, o secretário do MGI explicou que o Concurso Nacional Unificado seria dividido em diferentes editais de acordo com os blocos temáticos das provas. O objetivo é que os candidatos se escrevam em uma área de atuação, podendo selecionar cargos em diferentes órgãos dentro do mesmo setor. A divisão ficou definida da seguinte maneira:

  • Bloco 1 – Administração e Finanças Públicas: 580 vagas no MGI, Ipea, MF, MPO, BCB, CVM e MDIC;
  • Bloco 2 – Agências Reguladoras e Infraestrutura: 985 vagas no Inmetro, INPI, ANTAQ, ANTT, ANAC, Anatel, Aneel, ANA, Anvisa, ANS, MGI e DNIT;
  • Bloco 3 – Agricultura e Meio Ambiente: 298 vagas no MAPA e MMA;
  • Bloco 4 – Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação: 1.194 vagas Inmet, MCT, CNPQ, FNDE, Inep e Capes;
  • Bloco 5 – Políticas Sociais, Justiça e Saúde: 1.470 vagas no MGI, Funai, Fiocruz, MS e MJSP;
  • Bloco 6 – Trabalho e Previdência: 940 vagas no MTE e Previc;
  • Bloco 7 – Dados, Tecnologia e Informação: 894 vagas no IBGE e MGI;
  • Bloco 8 – Nível médio: 692 vagas no IBGE, MAPA e Funai.

Dentro de cada bloco temático haverá comissões organizadoras dos respectivos órgãos participantes para definir regras e questões da prova do Concurso Nacional Unificado.

continua depois da publicidade

Todos os órgãos convidados vão participar?

Ao todo, foram convidados 35 órgãos para participar da seleção por prova única. Eles participaram de reunião junto ao MGI para entender sobre o funcionamento do Enem dos Empregos, que ganhou esse nome por ser inspirado no Exame Nacional do Ensino Médio. No entanto, a adesão ao novo sistema é optativa.

O Concursos no Brasil entrou em contato com as possíveis autarquias participantes. O Incra respondeu que não vai participar da prova do Concurso Nacional Unificado e pretende contratar banca organizadora para um certame próprio em breve.

O Ministério da Justiça, por sua vez, acredita que essa é uma oportunidade positiva e pretende aderir. Outros nove órgãos informaram que ainda estão analisando a proposta. São eles:

  • Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT);
  • Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC);
  • Agência Nacional de Águas (ANA);
  • Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS);
  • Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam);
  • Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes);
  • Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI);
  • Ministério de Planejamento e Orçamento (MPO);
  • Ministério da Saúde (MS).

Já a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT) e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) ainda não têm uma posição definida.