Alzheimer: novo exame para diagnóstico da doença chega ao Brasil

Chega ao Brasil neste mês de setembro um exame de sangue para o diagnóstico da Doença de Alzheimer (DA). O exame, chamado PrecivityAD2, foi desenvolvido nos Estados Unidos pela startup C2N Diagnostic e ficará disponível no Brasil com exclusividade pelo Grupo Fleury. Num primeiro momento, o exame só estará disponível nas sedes do grupo em São Paulo.

Depois de coletada, as amostras são preparadas e enviadas aos Estados Unidos para o diagnóstico. O resultado é liberado em até 20 dias. O valor inicial do exame será de R$ 3,6 mil.

Como funciona o exame?

O PrecivityAD2 utiliza espectrometria de massa para identificar a presença de proteínas beta-amiloide 42 e 40 e formas fosforiladas e não fosforiladas da proteína tau. Pacientes com a doença são caracterizados pela presença desses indicadores no cérebro.

Este exame é bem menos invasivo do que os métodos disponíveis até então. Atualmente, os pacientes com suspeita da doença precisavam passar por um teste de plasma, que os expunha a radiação. Outra solução eram os testes de biomarcadores do líquido cefalorraquidiano, que requeriam uma punção lombar.

Segundo o Grupo Fleury, o exame é indicado apenas para pacientes com mais de 55 anos e com suspeita da doença. O exame não requer jejum nem a suspensão de medicamentos e o agendamento pode ser feito por telefone ou WhatsApp.

Ministério da Saúde estima que 1,2 milhão de brasileiros possam ter Alzheimer. (Fonte: GettyImages/Reprodução)

O que é a doença de Alzheimer?

Segundo o Ministério da Saúde, o Alzheimer é uma doença neurodegenerativa e progressiva. Apesar das causas ainda não serem totalmente conhecidas, fatores genéticos e sociais parecem influenciar no surgimento e desenvolvimento da doença.

O mecanismo de progressão da doença é relativa ao processamento errado de proteínas no sistema central. Proteínas mal cortadas tornam-se tóxicas e se instalam nos neurônios e entre eles, impedindo sua comunicação. Nas áreas afetadas, os neurônios vão morrendo e afetando funções cognitivas e motoras. No início, a doença pode afetar a memória e habilidade visuais e espaciais, em estágios mais avançados pode fazer o paciente ficar restrito a cama, necessitando de ajuda para qualquer atividade.

Demência e prevenção

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a doença de Alzheimer é responsável por entre 60% a 70% dos casos de demência no mundo. Por enquanto, não há cura e os tratamentos são paliativos e procuram mitigar os problemas.

O diagnóstico precoce é importante, pois os métodos de tratamento variam de acordo com o estágio da doença. Por isso, o novo método de exame pode ser de extrema importância na melhora da qualidade de vida do paciente.

O intenso uso do cérebro parece retardar a progressão do Alzheimer, por isso, populações com menor índice de escolaridade são mais suscetíveis, segundo o Ministério da Saúde. Portanto, um dos métodos de prevenção mais indicados é manter o cérebro ativo, independente da idade, leitura, estudos, jogos e programas sociais são atividades sugeridas. Cuidar da saúde, fazer exercícios e evitar fumar e beber também ajudam na prevenção.