5 comidas bizarras do mundo antigo consumidas até hoje

Conforme os humanos foram evoluindo e nossas sociedades foram se transformando, diversos aspectos culturais se modificaram. Um dos mais importantes certamente é a culinária, que se adaptou às novas tecnologias que surgiram no mundo e se adaptou para agradar o paladar moderno.

No entanto, uma coisa que surpreende qualquer um é descobrir que certas culturas ainda possuem o hábito de consumir algumas das iguarias mais bizarras que surgiram como refeições há séculos. Ficou curioso para saber sobre o que estamos falando? Veja só essa lista com cinco comidas bizarras do mundo antigo que ainda são ingeridas!

1. Flamingo assado

(Fonte: GettyImages)

A carne de frango é uma das fontes mais populares no mundo moderno, principalmente pelo seu preço mais acessível do que a carne bovina. Contudo, essa não é a única ave consumida por aí. Em algumas partes do mundo, comer flamingos assados é uma atitude comum.

E de onde isso surgiu? O consumo de flamingo refogado era um prato que somente os mais ricos poderiam pagar na Roma Antiga. Tal receita era um símbolo de status e poder. Atualmente, alguns mercados na China e na Tailândia vendem carne de flamingo abertamente.

2. Testículos de carneiro

(Fonte: GettyImages)
(Fonte: GettyImages)

Na Islândia antiga, um dos pratos favoritos de seus habitantes eram os testículos azedos de carneiro. Para preparar essa receita, os cozinheiros lavavam o órgão do animal, depois removiam as membranas externas e ferviam o alimento. Então, os testículos eram conservados por vários meses até atingir certo nível de acidez, finalmente podendo ser ingerido.

No final dos anos 1950, no entanto, essa tradição voltou à Islândia. Caso você decida visitar a região, provavelmente encontrará testículos de carneiro em conserva sendo vendidos nas prateleiras dos supermercados.

3. Garum

(Fonte: GettyImages)
(Fonte: GettyImages)

Você já ouviu falar sobre o “garum”? Esse é o nome dado para o molho feito de peixe fermentado ao sol em uma panela de barro com especiarias como endro, coentro e outras ervas. Essa era uma receita bem popular na Roma Antiga, quase como se fosse o ketchup de nossos antepassados.

Embora o processo envolvido na produção de garum tenha mudado ao longo dos anos, à medida que se espalhou para outras regiões do mundo, o molho de peixe sobreviveu por vários séculos e continua aparecendo em algumas partes do mundo.

4. Arganaz

(Fonte: GettyImages)
(Fonte: GettyImages)

Já se imaginou fazendo um churrasco de rato? Isso era praticamente uma realidade na Roma Antiga. Famílias daquela época tinham costume de cozinhar arnaganaz, um roedor da família Gliridae. Embora sejam menores do que um rato comum, esses animais são uma praga séria com capacidade de invadir fazendas e impossibilitar qualquer colheita.

Mesmo assim, a carne de arganaz era bastante popular. Por mais que sua fama tenha diminuído com o tempo, o arganaz ainda é um prato tradicional na Croácia e na Eslovênia — onde a captura do animal é uma grande tradição e evento importante no ano.

5. Terra

(Fonte: GettyImages)
(Fonte: GettyImages)

Dizem que todo mundo teve aquele amigo conhecido por comer terra quando era criança, não é mesmo? No entanto, o consumo deliberado de terra, solo ou argila é chamado de geofagia e foi documentado pela primeira vez em textos gregos e romanos antigos. Inclusive, esse é um problema que ainda afeta populações em vários outros países.

A razão pela qual as pessoas acreditam que precisam comer terra varia bastante, desde a crença na melhoria de problemas estomacais a benefícios como se proteger de doenças. O curioso, no entanto, é que não existe qualquer evidência científica de que o consumo desses elementos possa trazer qualquer benefício de saúde.